Profissionais e estudantes debatem desafios da mulher no mercado de trabalho

0 34

Em 2019, uma cabeleireira chamada Rosinete Martins, cansada de receber ameaças do ex-marido, decidiu ir a uma delegacia para denunciá-lo. Porém, a delegacia estava fechada e ela decidiu ficar em casa para fazer a denúncia no dia seguinte. Mas, o dia seguinte não chegou. Neste mesmo dia, o ex-marido de Rosinete Martins destelhou a casa e a assassinou, porque estava inconformado com o fim do relacionamento. A história – tão triste e tão corriqueira em pleno século XXI – foi o que motivou o deputado Raniery Paulino (MDB) a discutir o assunto na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

Para se ter uma ideia da gravidade, houve um aumento de 7,3% nos casos de feminicídios em 2019, no Brasil. “Eu venho percebendo uma involução em relação ao respeito às mulheres. Não podemos permitir isso! Muito mais do que homenagem, é preciso abrir espaço para reflexões, que possibilitem discutir e elaborar ações que acabem com a distinção de gênero”, ressaltou Raniery Paulino.

Aproveitando o ensejo do Dia Internacional da Mulher, o deputado decidiu, então, abrir mão da entrega de cartões e realizar uma roda de conversas para, de fato, ouvir os anseios das mulheres. A iniciativa – realizada no Salão Nobre da ALPB  – teve como tema geral “A mulher no mercado de trabalho” e reuniu cerca de 30 mulheres, profissionais e estudantes de diversas áreas.

ranieryPara a engenheira civil e de segurança do trabalho, Suenne Barros, a mulher tem conseguido conquistar, mesmo que a passos lentos, o seu espaço no mercado de trabalho. “Há 18 anos, quando me formei, havia um preconceito maior na área de engenharia. Hoje, está um pouco melhor. Já somos 2.100 engenheiras em todo o Estado. Ainda é pouco, mas já é a comprovação de que contribuímos tanto quanto os homens”, relatou.

Outro ponto discutido durante o evento foi o assédio sofrido pelas mulheres no ambiente de trabalho e na sua vida pessoal. “O assédio ainda é uma realidade e deve ser combatido com ações verdadeiras. Não é possível que a mulher ainda sofra assédio pelo simples fato de ser mulher. É inadmissível! Não queremos chocolates, apenas, queremos respeito”, alertou a chefe de gabinete do deputado Raniery Paulino, Rosana Gadelha.

A roda de conversa teve como finalidade discutir o assunto e abrir espaço para elaboração de políticas públicas em benefício da mulher. A iniciativa faz parte das ações da Casa Epitácio Pessoa em homenagem ao Dia Internacional da Mulher.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.